• (41) 3501-4647 / 3501-3773
    contato@energiasmart.com.br

ANEEL aprova redução nas tarifas dos consumidores da Amazonas Energia

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou hoje (29/10), em reunião pública, redução nas tarifas dos consumidores atendidos pela Amazonas Energia S/A. A concessionária atende cerca de 1 milhão de unidades consumidoras localizadas em 62 municípios do Estado do Amazonas. As novas tarifas entram em vigor a partir de 1º de novembro.

O efeito médio a ser percebido pelos consumidores de baixa tensão é de uma redução de 5,73%, sendo que para os consumidores residenciais a queda será de 5,91%. O pagamento antecipado do empréstimo da Conta ACR, medida adotada pela ANEEL dentro de sua Agenda de Desoneração Tarifária, foi um dos principais motivos da queda nas tarifas da empresa. A ação contribuiu com redução de 5,36% no presente reajuste.

A quitação da conta ACR ocorreu em setembro passado. O pagamento, que vencia em abril de 2020, foi antecipado após intensa negociação realizada por ANEEL, Ministério de Minas e Energia e Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), em um movimento que retirou R$ 8,4 bilhões das contas de luz dos brasileiros até 2020.

Confira os índices que serão aplicados às contas de luz dos consumidores da Amazonas Energia.

O efeito médio da alta tensão refere-se às classes A1 (>= 230 kV), A2 (de 88 a 138 kV), A3 (69 kV) e A4 (de 2,3 a 25 kV). Para a baixa tensão, a média engloba as classes B1 (Residencial e subclasse residencial baixa renda); B2 (Rural: subclasses, como agropecuária, cooperativa de eletrificação rural, indústria rural, serviço público de irrigação rural); B3 (Industrial, comercial, serviços e outras atividades, poder público, serviço público e consumo próprio); e B4 (Iluminação pública).Entre as empresas que tiveram reajustes negativos em 2019, por conta do acordo da conta ACR, estão a catarinense Celesc, que teve uma redução média de 7,80% em suas tarifas em 2019, a Elektro – SP (-8,32%, em média), EDP-ES (-4,84%), a CEB- DF de -6,79% e a Enel – GO de -3,90% em média.

 

Fonte: ANEEL