• (41) 3501-4647 / 3501-3773
    contato@energiasmart.com.br

Pauta da CCEE terá quatro temas prioritários em 2021

O presidente do conselho da  Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, Rui Altieri,  afirmou que a instituição quer pautar o ano de 2021 com quatro temáticas. Depois da resolução do tema do GSF, que ele vinha apontando como a principal prioridade da entidade desde 2019, agora a CCEE vê como temas a atuar a formação de preços, da segurança de mercado, da modernização da matriz e a abertura de mercado. Além destes a entidade deverá indicar mais um tema a ser escolhido, mas ele ainda não foi definido.

Altieri se mostrou animado para 2021, durante o podcast da CCEE, Interligados, lembrou que a organização está pautando muitas discussões do setor, o que classificou como positivo. Ele considerou o tema do GSF como encaminhado para a solução, mas demonstrou preocupação com a hidrologia para o período úmido. Segundo ele, o PLD alto traz implicações nas liquidações, com possíveis inadimplências.

A liquidação do mercado de curto prazo de setembro movimentou em torno de R$ 600 milhões, enquanto a de outubro ficou em cerca R$ 2 bilhões devido à alta do PLD. A de novembro poderá ainda ser maior. Para ele, é preciso pensar em uma solução estrutural para quando as chuvas não forem satisfatórias, indo além da questão do atendimento, mas pelos impactos causados. “Não podemos passar por isso”, disse.

A necessidade do aumento na segurança do mercado foi reforçada pelo presidente do conselho. No início  de dezembro, foi determinada a  operação assistida da comercializadora Alfa, por não conseguir honrar seus contratos. “Estamos correndo um risco de passarmos por um cenário parecido com o de fevereiro de 2019′, alerta. Altieri lembra que nessa ocasião, a CCEE fez uma série de sugestões de mecanismos para mitigar eventos como  esses.

Sobre a aplicação do preço horário, que começa em janeiro de 2021, as expectativas são boas. Considerando o 1º de janeiro como uma ‘data histórica’, o ano de 2020 foi importante para que todos os stakeholders se ajustassem para esse momento. “A CCEE está pronta e grande parte do mercado também”, aponta Altieri, que citou a atuação da conselheira Talita Porto no tema.

Fonte: Canal Energia